modobulb

Jim Golberg, o Mar Aberto e uma bolsa Alemã.

Posted in fotógrafos, livros by modobulb on April 28, 2011

Ontem recebemos com muita satisfação a notícia de que a Deutsche Borse Photography Prize 2011 foi para Jim Goldberg por seu trabalho, livro e exposição Open See. Golberg recebeu de um jurado composto por Marloes Krilnem (Fundadora e Diretora do Foam_Fotografiemuseum Amsterdam), Joel Sternfeld e Alex Farquharson (Nottingham Contemporary) um prêmio no valor de 30.000 libras.

Dinheiro muito bem empregado! Golberg em sua série Open See investiga de forma sensível a imigração. Da origem ao destino, o fotógrafo leva ao limite o documentarismo e a capacidade de representação da fotografia para tentar acessar as motivações, inquietações e infortúnios que levam milhares de pessoas a abandonarem suas vidas e famílias em busca de melhores condições.  Golberg apresenta, também, os mecanismos e a indústria que se aproveita da eterna esperança e do instinto de sobrevivência dessas pessoas.

Open See, publicado em livro pela Steidl, é resultado de 5 anos de viagens por países como a Grécia (um dos principais portos de entrada na Europa), Índia, Ucrânia, Bangladesh, Congo, Senegal e Libéria.  Não tivemos a chance de ver a exposição, mas temos em casa o livro e ontem voltamos a ele. Esta publicação é simples como objeto – sem sofisticação – e complexo em seu conteúdo. Dividido em 4 capítulos (livretos independentes) o livro nos leva por uma viagem que começa na Ucrânia (livro 1), passa pela Índia e Bangladesh (livro 2), depois estamos na África (livro 3) até que reencontramos os traços, as roupas e os costumes desses países agora na Europa, através da história de migrantes que completaram sua jornada.

Jim Golberg - Os quatro livros Open See.

Os 3 primeiros livros não possuem texto e a afirmação que fiz acima sobre a divisão desses capítulos por região do globo é fruto de uma memória iconográfica que me faz afirmar “aqui é índia”, “aqui só pode ser África”. Golberg nos obriga a tomar decisões o tempo todo, esfrega na nossa cara que estamos especulando, que pensamos saber do que se trata, que imaginamos até pensar poder acessar o sofrimento contido em Open See.

Jim Golberg, Open See 1.

O livro, porém, apresenta fragmentos, retalhos. Jim Golberg lança mão de técnicas tão distintas quanto fotografia em grande formato, recortes bruscos de fotografia 35mm, polaróides  e imagens presenteadas por seus personagens. Fica evidente o nível de colaboração entre fotógrafo e fotografado, as polaróides são repletas de intervenções – feitas pelos próprios personagens e pelo fotógrafo – algumas contam histórias de abuso, de sofrimento; outras de esperança, mas aqui, mais uma vez, nossa incapacidade de compartilhar dessas histórias é evidenciada pela língua, pela falta de compreensão de uma caligrafia muitas vezes indecifrável.

Jim Golberg, Open See 3.

Jim Golberg, Open See 3.

Os 3 primeiros livros não possuem texto, apenas no quarto volume somos confrontados pelos relatos de Beuty, Mohammed e Amara. Os relatos são guardados para o final, aliviando um pouco o sofrimento causado pela fragmentação narrativa da edição de imagens, mas intensificando ainda mais o nó na garganta e a tristeza depois de uma experiência profunda sobre questões referentes a Globalização, racismo, integração e perseguição cultural.

Jim Golberg, Open See 4

Open See é  um manifesto poderoso e Goldberg mais do que um fotógrafo é um grande editor!  Sarkozy e Berlusconi bem que podiam conhecê-lo.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: